Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

COMO INICIEI MINHA IRMÃ NA SACANAGEM...

Isso se passou há um bocado de tempo, mas fico extasiado com a recordação. Eu tinha 19 anos e a minha irmă, 20. A minha irmă era lourinha, tipo mignon, peitos bonitos e redondos, tipo moça séria, recatada, melhor aluna da Escola Normal. Tínhamos um relacionamento aberto e amistoso, mas o que ela năo suspeitava era que eu vivia morrendo de vontade de fodê-la.



Um dia, entrando em casa pelos fundos, ouvi uns gemidos abafados. Fui me aproximando na ponta dos pés, abri a porta devagarinho e percebi que os gemidos vinham do quarto. A porta sá estava encostada, e pela fresta eu vi a minha irmă, nuazinha na cama, masturbando-se e olhando uma revista de nu masculino. Fiquei contemplando a cena, extasiado, com o pau completamente duro. Ela tinha um corpinho lindo: peitos durinhos, redondinhos, de bicos rosados, e uma boceta bem peludinha. Ela friccionava freneticamente o seu grelinho, contorcia-se e apertava os peitinhos, gemendo baixinho:"Ai,ai,que gostoso, como seria bom se um pau estivesse entrando aqui,ai,ai...".Quando gozou, ficou estendida na cama, de olhos fechados, pernas escancaradas. De frente para ela, numa distância de apenas dois metros, eu pude contemplar nitidamente a sua boceta vermelha, com o grelinho lindo, apetitoso. Saí devagar, corri para o quintal e bati uma bela punheta.





Um mês depois dessa ocorrência, estávamos os dois sozinhos em casa, vendo TV, com ela deitada no sofá, vestida com uma saia e uma blusinha. Estava sem sutiă, pois notei os bicos do peito empinados, quase furando a blusa fina. De repente, ela me disse que tinha muita vontade de possuir um relágio de pulso. Eu tinha recebido um bom dinheirinho da minha madrinha no Rio de Janeiro e ofereci: "Posso te dar o dinheiro para comprares o relágio". Ela arregalou os olhos, contente: "Verdade, tu me dás o dinheiro?" Eu respondi, sério: "Sim, te dou, mas com uma condiçăo". Ela estranhou: "Condiçăo, qual é?". Fiquei com medo de que ela se indignasse e, revoltada, fosse se queixar para a nossa măe, mas arrisquei:"Sabe, Maria, tu tens uns peitos lindos. Deixa eu pegar e mamar neles, sá isso. E te dou o dinheiro". Para minha surpresa, ela năo mostrou raiva, mas, como toda mulher, começou a fazer um joguinho de gato-e-rato: "Mas, sou tua irmă, isso é um pecado". Eu nem deixei ela terminar a frase: "Pecado nada, isso é besteira, afinal queres ou năo queres o relágio?". Ela me olhou, vermelha, envergonhada, e respondeu baixinho: "Mas tu juras que sá vais mamar nos meus peitos? Năo vais tentar fazer mais nada? Eu sou virgem, meu cabaço sá quem vai tirar é o meu marido, quando eu casar". Tu juras que năo vais tentar me fazer nada de mal?" Respondi, contente: "Eu juro, minha irmă, eu juro! Mais vermelha de vergonha ainda, ela murmurou: "Quer fazer agora? Já com o pau durăo, ameaçando arrebentar a calça, eu respondi: "Sim, agora, já". Entăo ela tirou a blusa e os peitos lindos saltaram convidativos para fora. Năo perdi tempo e passei a chupá-los com todo carinho. Enquanto chupava um peito, eu acariciava o biquinho do outro. Năo demorou muito para que o seu instinto de fęmea começasse a reagir. Começou a gemer baixinho e a apertar a minha cabeça: "Ai, maninho, isso é gostoso, muito gostoso". Observando que ela já estava dominada pelo desejo sexual, eu tornei-me mais ousado, passando a măo pelas suas coxas. Ela reclamou: "Aí năo, aí năo, olha o que me prometeste!" Eu a acalmei: "Calma, maninha, calma, é sá um pouquinho, sá para te dar prazer. Juro que năo conto pra ninguém, juro. É sá uns carinhos, para te dar prazer". Ela năo disse mais nada e continuei chupando um peito, bolinando o bico do outro, passando as măos pelas suas coxas e, de repente, peguei na sua boceta, por cima da calcinha. Senti que a calcinha já estava molhadinha. Nesse momento, ela falou, arquejante: "Deixo tu fazer tudo que quiseres, menos tirar o meu cabaço, mas vais me prometer que năo contarás isso pra ninguém, tá bom?. Alucinado de tesăo, eu disse: "Sim, sim, faço tudo que quiseres, minha irmă. Tudo!" Entăo ela sacou fora a saia, depois a calcinha e eu joguei-me por cima dela. Dei-lhe um beijo apaixonado na boca, que ela correspondeu com intensidade. Depois do beijo, desci de novo para os seus peitos, chupei-os, mordisquei-os, suspendi-me do sofá com os braços e passei o pau pelos seus peitos. Por uns dois ou tręs minutos, fiquei fodendo os peitinhos da minha irmă. Depois, me virei, ficando com a bunda e o pau sobre os seus peitos, e a boca em cima da sua cabeluda boceta, projetando um 69. Minha irmã parecia inexperiente na prática sexual, mas, quando passei a língua pelo seu grelinho e o mordi delicadamente, e quando enfiei a lingua dentro da sua boceta molhada e arreganhada, a minha irmă se estremeceu todinha, apertou com as pernas a minha cabeça, gemeu, e perguntou: "Quer que eu chupe o teu pau?" Ora, mas que pergunta!... Tirei a boca da sua boceta e respondi, rápido: "Sim, minha irmăzinha, pelo amor de Deus, chupa o meu pau, chupa, porra!" E a minha irmă botou o meu pau na boca e passou a mamar nele. Para uma iniciante, ela chupava muito bem. Na verdade, essas coisas ninguém precisa ensinar. Na hora, o instinto é que ensina; e toda mulher já nasce puta em potencial. Sá năo se tornará puta se nunca lhe meterem um pau na boceta ou no rabo.





Daí a instantes, a minha irmă gozava deliciosamente. Tirou o pau da sua boca, ficou esfregando-o nos peitinhos, gemendo e fungando, como uma cadela no cio:"Ai, ai, ai, meu irmăozinho, tô me acabando, tô me acabando, aiiiiiiiiiiiii!... Quando ouvi isso, năo aguentei e gozei nos seus peitinhos. Depois me levantei, enquanto ela permanecia de olhos fechados, na languidez de fęmea saisfeita, e com a sua saia limpei o meu pau e o esperma dos seus peitos. Perguntei com carinho: "Gostou?" "Sim, muito". "Quer mais?" "Sim, quero". Deitei-me de novo sobre ela, beijando com paixăo a sua boca. Ela correspondeu também, enlaçou-me o pescoço, murmurando: "Somos dois loucos; que pecado, meu Deus, que pecado! Mas tô doida por ti, meu irmăo, faz comigo o que fazes com as tuas putas, mas năo tira o meu cabaço!" De novo, lambi e chupei os seus peitinhos, lambi o seu umbigo, enfiei a língua na boceta, molhada de novo, enquanto ela se contorcia, gemendo e murmurando: "Oh, meu irmăo, tu és um tarado, estás me viciando. Quero te sentir dentro de mim, sentir escorrer a tua gala dentro de mim, mas năo posso de dar o meu cabaço. Năo posso!" Aproveitei a dica: "Tudo bem, năo tem problema, Vira a bundinha. Vou gozar dentro dela." Ela năo reclamou e virou a bunda para mim; já estava amansada, já era uma puta nas minhas măos. E que bunda linda a minha irmă tinha, Santo Deus!Quando comecei a meter o pau, vi que o seu cu era virgem, com certeza; cheio de pregas, estava dificil para o pau penetrar. Ela começou a chorar e a gemer de dor: "Ai, tá doendo, tira, tira!" Eu me levantei e disse: "Espera, fica desse jeito mesmo, volto já". Fui lá no armário, peguei um pote de vaselina e lambuzei o meu pau. Voltei. Ela continuava deitada de bunda pra cima. Espiou-me por cima dos ombros e perguntou: "Que foste fazer?" Respondi sorrindo: "Melei meu pau de vaselina. Agora vai entrar macio no teu cuzinho". Ela riu. Já estava ficando safadinha!...Empínou a bundinha e o meu pau deslizou para dentro do seu cu, todo, até o fundo. Fiquei bombando devagar. Afinal, era um cuzinho virgem! Quando comecei a aumentar a velocidade das bombadas, ela tornou-se de novo uma cadela no cio: "Ai, meu irmăo, tu estás fodendo o meu cu. Oh, meu Deus, no cu também é muito gostoso! Fode o meu cu, fode, meu irmăozinho, e mete o dedo na minha boceta, mete!" E eu fiquei assim, por alguns minutos: fodendo o cu da minha irmă e com o dedo enfiado na sua boceta, masturbando-a. E ela foi aumentando o seu desvario: "Oh, meu irmăo, tu és o primeiro macho que entra dentro de mim! Vai ficar um buracăo no meu cu!Vou gozar com teu pau no meu cu, vou gozar.....Ai, ai, meu irmăo, meu macho gostoso, tu estás fodendo o meu cu, goza dentro dele, goza, querido, goza,ai, ai, ai, meu Deus, eu morro, eu morro..." E gozamos juntos, um gozo violento. Gememos juntos, como se fosse uma dor gostosa!







E a partir desse dia, passei a comer o cuzinho da minha irmă Maria, de vez em quando. Sempre fazíamos também um 69 gostoso. Mas eu năo estava satisfeito. Ela ainda năo era a minha puta completa, pois faltava comer a sua bocetinha. Todas vezes que transávamos, eu tentava tirar-lhe o cabaço, mas ela năo deixava, com medo de perder a virgindade ou de engravidar.







Mas continuei tentando. Eu tinha que descabaçar a minha irmă, comer aquela bocetinha gostosa! Eu estava ficando cada vez mais impaciente e mais louco para foder a sua bocetinha, mas ela sempre dizia năo! Até que um dia...







Mas isso contarei no práximo relato.

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eroticos gay acordado na noite pelo meu paicontos como dopar maridoconro erotico gay meu tio alopradocontos eróticos quentes minha namorada em dp reaiscontos eroticos garotinha dormindo no colo do padrinho de pijaminhavideo porno gostozinha de vestido preto sndo fodida com amae do ladacontos eroticos sobre gay arrombado pelo bombeirocontos tia vai foder gostoso isso delicia vai issocontos eroticos prazer solitario homemcontos de pervertidoscontos metendo na tiapornobuceta.com/homens so quer saber de mamar em peitoes das safadascontos eróticos usada pelo padrinhoCoroa safada Taubatécontoseroticoscabacinhocontos eroticos entre garotinhas novinhasdando/o cabaço pro titio conto exitantecontos deixa tiocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteMimha mae me obrigava dar a peluda para o picudoRelatos de sexo com primas novinhasprono irmão comeno a irman branquinho cabelo pretocontos homes muito bemdotado comeu mia filinha gostosa contoscontos de iniciação no swingcontos eróticos pular pulacontos de surubas inesperadas com esposacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecobto eróticos. chupei cu do meu maridocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentewww.contoseroticos.com.br/tia e sobrinha virgemzoofilia umcacete enorme pra pequena putaConto comi minha mae no celeiroPeguei minha esposa dando o cuzinho pra 2 compadres nossos contos e relatos eroticosContos eroticos obriguei minha mae a engolir minha porraDelirando na pica do irmão contoscontos eroticos- paguei minha filha pra cheirar sua calcinhavideo de cunhadoxcunhadacontos de mulheres ninfomaniaca por sexocontos abusadasCONTO EROTICO ENCHE MEU RABOcontos eroticos fudendo a mae travestia mulher do pasteleiro contocontos eroticos minha mulher e o velhoContos eroticos velho tarado por meninas bobinhascontos comi a internadazoofilia googleweblight.comcontos com fotos flagrei meu marido com a viúva do vizinhocontos eroticos com subrinhasconto eróticos de mendigo arregaça bucetaporno coroa pauzeracontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecomendo a tia desde pequeno contosprofessor e aluna contosmoranade bct Grande batendo um pra amiga Eu morava sozinho minha aluna do cursinho ela veio morar comigo ela agora ela e minha mulher conto eroticoporno quente doido cara lasca buceta com cuContos eróticos entre parentesContos quero goza muito na minha filha quando ela nasceconto erótico amiga grelo línguarelato esposa safada na fazendacontos eroticos me ferrei no chat tive de dar a forçaapanhando e gozando contosConto d esposa magrinha e safadinhacontos eroticos arrombando a gordacontos eroticos arrombando a gordacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentefilha Pare contos eroticoscontos erótico proibido na net chatagiei a sobrinhacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eróticos ganhei a calcinha suja da minha tiacontos eroticos, casada nova surpreende marido em cine pornocontos eróticos de famílias pela primeira vez participando da praia de nudismoContos eroticos calcinha da vizinhaporno guardete teresina na rolacontos dei pro mulequinho de ruacontos eróticos o pai da minha amigacontos erótico com enfermeira