Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

SILVIA E O PEDREIRO

Esta histária aconteceu quando eu era adolescente, com 19 anos. Eu e minha prima Cleo fomos passar uns dias em

Guarujá com minha tia no apartamento dela. Cleo era três anos mais velha que eu, mais experiente e já tinha tido

alguns contatos sexuais enquanto eu ainda era virgem. Ela me contava seus casos e me estimulava a tentar

experiencias, o que me deixava extremamente excitada. Viviamos contando uma para a outra nossas fantasias e

as vezes até nos tocávamos para torná-las mais reais.

Cleo percebeu que, no prédio ao lado do nosso, havia um prédio em construção e disse para mim que era uma boa

oportunidade para nos excitarmos. --Como?-- Perguntei na minha inocência. Cleo me falou: --É sá voce fazer o

que eu mandar.-- Percebi a animação da minha prima e comecei a sentir-me excitada também. --Está bem--, falei,

--o que eu faço?--

Estávamos de camisola no nosso quarto, cuja varanda dava para o prédio em obras. Cleo falou: --Tira a

camisola, chega mais perto da varanda e começa a escovar o cabelo.-- Ela se posicionou mais longe da porta da

varanda de modo que podia ver o prédio ao lado sem ser vista. Eu cheguei mais perto da varanda, sá de calcinha

como se estivesse distraída escovando os cabelos e me olhando num espelho que ficava ao lado da porta da

varanda.. Passados alguns minutos Cleo me disse que um dos pedreiros da obra estava me olhando. Senti um calor

pelo corpo e já ia me afastar da varanda quando a Cleo gritou: FICA AÍ !! Assustada com aquele grito, obedeci

mas virei de costas pra varanda. Cleo falou: Aquele pedreiro chamou outro e agora os dois estao olhando pra cá.

Eles não sabem que voce sabe que eles estao te olhando, entao aja com naturalidade. Como agir com

naturalidade!? Eu estava nervosa e excitada. Mas Cleo foi me acalmando, dizendo que ela já tinha feito isso em

outro lugar e que eu iria gostar e com firmeza me mandou virar de frente para a varanda. Eu adorava a Cleo e fazia

tudo que ela mandava com medo de perder a sua amizade. Fui me virando devagarinho e fiquei de frente para fora,

meus peitinhos intumecidos de excitação, empinados e com os bicos duros. Cleo começou a me dizer o que eles

estavam fazendo pois eles não podiam vê-la, sá a mim. Eles estão rindo e comentando alguma coisa. Agora

mudaram para a sala ao lado para poderem te ver melhor-- Eu comecei a relaxar e gostar daquilo, de sentir

aqueles olhos examinando meus peitos que eram bonitos e durinhos. Aí a Cleo falou -- Saia do quarto e volte sem

calcinha e com uma toalha na cabeça como se voce estivesse saindo do banho. SEM CALCINHA? PELADINHA?,

falei. --Isso mesmo-- disse a Cleo firmemente, vamos, rápido! Fiz o que ela mandou e em poucos minutos cheguei

perto da varanda, nuinha, já mais a vontade e cheia de tesão e virei-me logo para a varanda e deixando-me

apreciar todinha. Fiquei ali fingindo não notar nada sentindo uma umidade na xoxota, enquanto a Cleo ia me

narrando: -- Agora eles estão com a mão no pau. Daqui não dá pra ver mas devem estar de pau duro. Eu, que era

muito bobinha achei o máximo deixar 2 homens de pau duro. Quanta excitaçao!

Dois dias depois houve um problema na torneira do chuveiro e minha tia foi lá na obra chamar alguém para

consertar. Esse alguém so podia ir depois das 4 horas, quando acabava o serviço na obra. Como minha tia tinha

que sair depois do almoço e sá voltaria à noite, encarregou-nos de vigiar o serviço do cara. As 4 e meia o cara

tocou a campainha e quando a Cleo abriu viu que era um dos que tinham me espiado.

Ela levou ele até o banheiro, mostrou o serviço e veio me contar. Fiquei super nervosa mas ela me acalmou

dizendo que ele não sabia que ela o tinha visto aquele dia, mas mandou eu ir lá ver como ele estava fazendo o

serviço. Quando cheguei no banheiro percebi que ele me reconheceu pois olhou logo para meus peitos.

Voltei para a Cleo muito excitada mas ela me disse : Agora é a minha vez. Voce vai aprender. Ela estava com seu

biquini fio dental. Ela era muito ousada e seus biquinis eram minúsculos. Tirou a parte de cima e colocou uma

camisetinha branca, fina, colante e que lhe marcava bem os bicos dos seios e voltamos ao banheiro. Ele estava

dentro do box e ela falou: Tudo bem aí? Ele olhou para ela de cima a baixo, deu um sorrisinho e falou: Tudo átimo!

Cleo perguntou: Precisa de ajuda? Ele ficou meio indeciso depois pediu que ela ficasse com a mão torneira

enquanto ele se abaixava para pegar uma ferramenta no chão. Ela entrou no box e segurou o registro que era no

alto.De onde eu estava pude ver que ele, ao se abaixar, olhou bem para a bunda dela que o fio dental não

escondia. Quando ele se levantou, ela tirou a mão do registro e uma ducha caiu sobre eles. Quando o cara

conseguiu fazer a água parar eles estavam enxarcados. Ele olhou pra Cleo, com a blusa molhada completamente

transparente, e me pediu uma toalha. Os dois saíram do box e ele começou a enxugar a Cleo. Ela estava adorando

aquilo e quando ele falou que era melhor ela tirar a blusa, ela nem hesitou. Ele começou a passar a toalha em seus

seios nus e disse para ela: Sabe que voce é muito bonita?. Voce tem uns seios lindos! Nesse momento ele olhou

para mim que estava ali deslumbrada com o que via ( já sentindo inveja da minha amiga) e sorriu -- Voce tb é

muito bonita, garota.-- A Cleo disse pra ele: -- Ela tem uns peitinhos lindos.-- --Ah Eu quero ver-- ele falou. E a

Cleo, sempre firme e mandona arrancou minha blusa exibindo meus peitinhos virgens, empinadinhos que estavam

com os biquinhos duros e tremulos de desejo. Ah, que coisinha linda, qual das duas eu vou chupar primeiro? A

Cleo, experiente, falou: chupa ela primeiro, que esses peitinhos dela nunca foram chupados. Nunca? Essa

gostosura!? Então vamos inaugurar ...Quando ele passou a lingua nos biquinhos eu fiquei completamente sem ação

e senti que ele poderia fazer comigo tudo que quisesse. Que biquinhos gostosos, falou ele. Depois abriu bem a

boca, abocanhou todo o meu mamilo e chupou, chupou até eu gritar de dor. Então ele disse: Doi mas é bom, não

é? Posso chupar o outro? Fiz que sim com a cabeça, ansiosa por sentir de novo aquela dor deliciosa. Então ele

chupou o outro enquanto com dois dedos ele apertava o que já tinha chupado. Eu não queria que ele parasse

nunca mais, mas a Cleo estava esperando a vez dela e o chamou. Então ele passou a lambê- la e chupá-la

percebendo que ela era mais experiente. Ele arrancou o biquini dela e desceu a mão pela sua bunda até atingir sua

xoxotinha por trás. Eu percebi que algo creseu muito dentro da sua calça e ele, quando me viu olhando aquele

volume me chamou: Vem cá, vem. Vem ver o que eu tenho aqui, abre a minha calça. Fiquei paralisada ali mas a

Cleo já havia se adiantado e abaixando as calças dele apareceu um pinto enorme e duro que eu nunca tinha visto.

Ele olhou para mim e perguntou? Gostou? Eu continuava paralisada mas a Cleo disse: Vou mostrar como se faz. E

chegou a boca perto daquele monumento e começou a lamber e chupar. Quando ela parou ele disse: Vamos deixar

ela brincar também. Eu ainda estava de mini saia e calçinha e a Cleo, super excitada tirou tudo rapidamente me

deixando peladinha. Aí ela abriu as minhas pernas e falou para ele: Pode brincar aí, mas com cuidado que a menina

é virgem. É virgem mas tá doidinha pra ser arrombada, olha como ela está molhadinha! E passava os dedos no meu

grelinho, abria os labios e chupava, sua língua tentando me penetrar. Eu fechei os olhos e deixei aqueles dedos e

aquela língua percorrerem toda minha bocetinha virgem, de cima a baixo, de tras para frente, sempre com cuidado

em não me romper. A Cleo, que estava ansiosa por sua vez, gritou: Faça ela gozar! E ela, para ajudar a terminar

logo com aquilo começou a esfregar as palmas das mãos nos meus mamilos duros e sedentos. Um calor começou a

me dominar e senti aquele prazer que a Cleo tanto me falava. Até hoje sou grata a ela por essa deliciosa

experiência.

O pedreiro continuava com o pau muito duro e a Cleo então abriu as pernas e me disse: Um dia voce vai fazer

assim! Fiquei olhando o que era assim, e vi aquele membro imenso começar a entrar na boceta dela devagarinho,

mais e mais até sumir naquele buraco quente fazendo-os gemer e mexer até que eles gritaram. Então ele saiu

imediatamente de dentro dela, com a mão virou seu pau na minha direção fazendo um liquido esbranquiçado e

pegajoso jorrar, lambuzando todo o meu corpo nu e dizendo: Este é o seu batismo, garota!

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos esposa dando pro pedreiro na reforma de casa sem o marido safada reaisporque.que.depois.que meu namorado chupou os meus peitos eles ficaram com o bico descacandoporno gay interracial com macaquinho gulosoconto erotico sou uma coroa gosto de novinhoconto gaguei mas gostei de dar o cucontos mulher casada da o cu pro cãodar conto heteroconto erotico arrombei o travesti do baile funkconto erotico gozar dentro bucetamãe puta, contoconto erotico desconfiei de minha esposacontos das danadinhas perdendo cabaçinhocontos erodicos toma no cu tomaIncesto com meu irmao casado eu confessocontos eroticos sou casada realizei o desejo do meu sobrinhocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos porno os amigos de papai fuderam mamaemeu me comeu aos anosconto mãezinha fode com filhinho treze anoscontos eroticos confissões fAmiliaresminha esposa e minha sogra nua na praia de nudismoconto sexo coroa ricaço esposaa saga de uma puta contos eroticohome pega amulher de com o melho amigo transano e fi loucoconto punheta da varandacontos eroticos arrombou meu cu no quintalcontos eroticos com fotos de mulheres casadas que foi violentada por bem dotadosconto erotico pique escondechantagem a mae contosConto tava tudo escuro ele me agarrou por tras e me encoxouContos rebolo na cacetecontos eroticos comi a enfermeira no hospitalrelato de mae dando a buceta para o filhocontos gay cavaloNo motel minha sobrinha ela chupou meu pau eu chupei sua buceta e fudi ela contos eroticos contos: exibindo a mulher para o cafetãopegando hetero casado conto gaycontos eróticos de estupro concedido de estudantescontos eroticos pequenapesquisar saístes da putaria lésbicas como fazer sexo com uma menina virgem e quebrar seu cabassocontos eróticos no cu com cachorroscavalogozou forte na boceta da safadagordo do apartamento conto eroticoconto eróticos comi minha prima mae solteira carenteconto gay virei viadinhocontos eroticos patricinha caminhoneiroscontos eroticos de prima puta safada e com um rabo de puta que foi fazer uma visitinha pra tiaVelho pervertido come a bucetinha de uma garotinha na escolaContoseroticos estuprando Vitóriacontos de bdsm privada humanacontos fudedo mãe do meu chefehistoria e contos lesbica primeira vez com minha babacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos comi a amante do meu paiMinh esposa loirinha baixinha e os nossos sobrinhos de treze e quatorze anoscontos eróticos porno brasileiro grátis de incesto entre genro e sogra mais recentesVideo porno de duas coroas de 45anoa saindo juntas pelaprimeira vezcontos meus amigos estupraram a minha maeContos eroticos com irmãs caçulas fodidascontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteContos eroticos dois heteros vodkacontos travesti transando com cachorro filacontos erótico perdi a virgindade da b***** e do ku com meu patrãoContos eróticos da minha mãeprimeira vez que fui chupada por um homem casado eu virgemcontos escravizada por chantagenscontos de incestos quebrei a pernacontos eroticos iniciação/lesbicacontos pornos comi sogra mamae tia irma onibus lotadoboa f*** travesti orgiamulheres casadas morenas claras 45 a 55 anos traindo com negaocontos erotico comi o hetero parte 19mulher do irmão acaricia pica de outromarido corno/contoscontos eroticos gay empregadinha