Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

5 - ENTREGA

rnTrês dias.rnrnTrês dias.rnrnTempo suficiente para que eu pensasse e repensasse. Tempo suficiente para que minha imaginação fluísse.rnrnApás nossas últimas brincadeiras, conversamos. A princípio, ele estava meio envergonhado devido à posição de humilhação ? como meu cãozinho ? que havia assumido, mas depois, deixou-se levar.rnrnEle possuía um papo leve e interessante. A mente ágil e inteligente. Este fato apenas aguçou meu desejo. Não há nada que tenha efeito maior de frigidez sobre mim do que a estupidez ? é como um belo balde de água fria.rnrnDescobri que ele também morava em Belo Horizonte, apesar de não ser mineiro. Havia vindo de São Paulo, devido à sua profissão que ele descrevia como uma espécie de cozinheiro.rnrnObviamente ainda não havíamos entrado em detalhes com relação às nossas vidas particulares ? a confiança ainda estava sendo construída. Mas, eu sentia que o progresso seria contínuo. O fato de ele também residir em BH também me enchia de curiosidade e contentamento simplesmente pelo motivo de que, assim, a possibilidade de que houvesse uma real migração do virtual para o palpável era tangível.rnrnPassou-se o primeiro dia e o cão enviou-me um e-mail. Estava com dificuldade de conseguir uma clínica de depilação longe o suficiente de sua casa, para que sua privacidade fosse preservada. Compreensível, claro, mas também um sinal de preguiça.rnrnEnviei a ele um endereço de clínica de confiança, que ficava no Floresta. Bastava que ele ligasse e agendasse um horário. Dei-lhe também uma ordem: não se toque, não se masturbe todo o seu prazer deveria ser reservado a mim.rnrnNo segundo dia enviei-lhe uma pequena lista com itens que ele deveria providenciar para a práxima vez em que conversássemos (e que deveriam ser mantidos, para a possibilidade do real).rn_____________________________________________________________________________rnPara: [email protected](...)rnAssunto: ComprasrnrnSempre de joelhos, mesmo quando apenas estiver lendo minhas palavras, entendeu? É como espero que você fique.rnrnProvidencie:rn1) Anero.rn2) Óleo de amêndoas.rn3) Anel peniano.rn4) Calcinha.rn5) Potinho de alimentação de animais.rn6) Dois pregadores (podem ser os seus mesmo).rn7) Um copo.rn8) Creme para o corpo.rnrnVocê poderá escolher os tamanhos que quiser, deixo esta parte a seu cargo. Aconselho que o anero seja estreito para que você não seja danificado. Tudo que me pertence deve sempre estar limpo e saudável.rnrnEspero ver estes itens arrumados, sobre uma toalha branca práxima ao teclado. Todos os itens devem ser previamente higienizados antes e depois do uso.rnrnMais, faça o download da seguinte música: ?Devil?s plaything? da banda Danzig.rnrnFalo com você em mais alguns dias. Esteja pronto.rn_______________________________________________________________________________rnrnTerceiro dia.rnrnEu queria falar com ele. Se ele tivesse seguido minhas ordens ipsis litteris já deveria estar pronto e às 19 horas estaria ajoelhado me esperando frente ao computador.rnrnMas, ainda não seria hoje.rnrnAmanhã, talvez ? ele merecia ter que esperar um pouco mais devido à preguiça ao escolher a clínica para depilação.rnrnQuarto dia.rnrn15:00.rnrn15:05.rnrn15:09.rnrnLoguei e imediatamente ele ligou o vídeo. A câmera mostrou aquele belíssimo exemplar canino de joelhos, olhando diretamente para mim, com o rosto ainda brilhante da barba recém escanhoada.rnrn?Boa tarde, cãozinho!?rn?...? Ele ainda se lembrava das minhas últimas reprimendas.rn?Quando eu lhe der boa tarde, responda. Faça-me sentir bem-vinda.?rn?Bem-vinda, Senhora. Seu cãozinho está muito feliz em lhe ver.?rn?Se está feliz, porque não está fazendo festinha pra mim??rnrnEle imediatamente pôs-se de quatro e começou a latir mansamente e a balançar o rabinho ainda imaginário.rnrn?Bom, bom cãozinho. Agora, de pé para a inspeção.?rnEle levantou-se de um pulo.rn?Sim, Senhora.?rn?Abra a boca. Quero ver seus dentes. Aproxime-se da câmera que eu quero ver se você tem cuidado direitinho do que me pertence.?rnrnEle abriu a boca. Seus dentes eram perfeitos. Algumas obturações como é tão comum nestas épocas de tanto açúcar, mas todas bem cuidadas e de boa aparência.rnrn?Peito.?rnSeu peito e ombros estavam completamente desnudos. Lisos. Era possível ver melhor as sardinhas que lhe cobriam a pele com leveza.rnrnEu havia lhe dito que poderia manter os pelos dos cotovelos até as mãos e do joelho para baixo.rnrnQual não foi minha surpresa ao ver que ele havia feito uma depilação completa. Todos os pelos de seu corpo: braços, pernas, nádegas, virilha, saco escrotal ? todos, haviam sido meticulosamente removidos.rnrnFoi impossível conter o sorriso que se abriu despudoradamente em minha face. Odeio cães peludos.rnrnE era também inegável o fato de que este me pertence.rnrnInspecionei seu corpo milimetricamente. Nenhum único pelo.rnrn?Pegue o creme. Espalhe-o pelo corpo esfregando suavemente todas as partes que foram depiladas. Você deve fazer isto todos os dias. Quero o seu corpo sempre hidratado e suave ao toque.?rnrnEle pegou o creme e começou a esfregar pelo corpo.rnrn?Não. Coloque a música. Faça isto enquanto dança para mim.?rnrnEle, de maneira desajeitada, iniciou uma pequena dança remexendo seu corpo enquanto suavemente espalhava o creme. Primeiro por seus braços longos e bem feitos. Depois em seu peito largo e sem pelos.rnrnPassou para suas pernas.rnrn?Vire-se e passe em suas pernas sem agachar.?rnrnSei que ele já havia percebido a minha predileção por vê-lo naquela posição. A visão de suas nádegas cruas, brancas, como uma tela pronta a ser pintada, enviava pequenos choques na extremidade do meu clitáris.rnrnEle curvou-se e esfregou languidamente as pernas lisinhas. Depois, passou as mãos para trás e passou creme nas nádegas.rnrn?Não passe no ânus. Para ele tenho outros planos hoje.?rnrnAo ouvir minhas palavras ele teve uma pequena contração involuntária nas nádegas que se apertaram por uma fração de segundo.rnrn?Ninguém nunca brincou com essa parte do seu corpo??rn?Não, Senhora.?rn?Nem você mesmo??rn?Não, Senhora. Confesso que isso me assusta.?rn?Te assusta??rn?Sim, Senhora.?rn?Muito??rn?Sim, Senhora.?rn?Que bom. Estamos no caminho certo.?rnrn?De frente.? ? minha brincadeira preferida ficaria para mais tarde.rn?Agora passe o creme na sua área genital. E não se atreva a ficar de pau duro.?rnrnPercebi quando ele parou suas mãos e respirou fundo tentando controlar a tensão sexual que já sentia e que fizera seu pênis manifestar-se em uma quase ereção, que não havia passado despercebida.rnrnEle respirou mais uma vez e podia-se sentir no ar o quanto seu cérebro lutava com seus instintos para que seu pênis permanecesse estático.rnrnCão começou a passar o creme pelos testículos, creio que ele via esta como sua parte menos sensível. Ainda tentando manter sua ereção sob controle. Sua respiração estava agitada.rnrnAo tocar seu pênis, senti que ele suprimiu sua respiração.rnrn?Esfregue bem. Quero esta sua parte muito bem azeitada. E dance para mim.?rnrnAo ouvir minha voz já rouca de excitação, a excitação de meu cãozinho saiu do controle e seu pênis estendeu-se qual bandeira afrontosa, totalmente esticado e ainda brilhante de creme.rnrnEle parou com suas mãos no ar, ainda cheias de creme, sem saber exatamente onde colocá-las. Seu olhar ia da câmera para seu pau completamente duro e do seu pau completamente duro para a câmera.rnrnE havia medo em seus olhos. E o medo me excita quase tanto quanto sangue.rnrn?Você pensa que é homem, cãozinho? Por isso está estendendo esse pau abusado para mim? Você não tem vergonha de tamanha ousadia??rnrnEle caiu de joelhos.rnrn?Senhora, me perdoe. Sua voz, tão imperiosa. Eu não consegui. Eu não consegui. Me perdoe!?rn?Pegue o anel e prenda-o bem justo na base do seu pau. Quer ficar com ele duro? Quer me desrespeitar? Então agora sinta as consequências!?rn?Senhora, me perdoe.?rn?Cale-se! Pegue o anel. Coloque-o como mandei.?rnrnSilenciosamente ele o fez. Sua pouca experiência e seu medo faziam suas mãos ficassem trêmulas, mas ele finalmente conseguiu alocar o anel onde eu havia lhe ordenado.rnrn?Dái??rn?Sim, Senhora. Eu não me toquei, como a Senhora ordenou. A espera me deixou doido. Ele está meio inchado.?rn?Bom. Agora pegue os pregadores e coloque nos seus mamilos.?rn?Quanto tempo, Senhora??rn?O tempo que eu quiser.?rnrnEle alocou os pregadores. Mesmo antes, mordia seus lábios antecipando a dor ? as lembranças da última punição com eles ainda era forte.rnrn?Pronto, Senhora.? ? disse ele com a voz pressionada pela dor.rn?Quem lhe disse que está pronto? Mostre-me a calcinha.?rnrnEle havia comprado uma versão de tanga de renda vermelha. Curtinha e pequena. Certamente entraria no rabo de um cão daquele tamanho. Era mesmo uma puta esse meu cãozinho.rnrn?Vista. Vista para aprender que você não é homem. Que pode até ser um cãozinho macho, mas que não deve estender esse pau para mim, exceto quando eu disser que pode, entendeu??rn?Sim, Senhora?. Sua voz ainda estava espremida, dolorida.rn?Traga uma cadeira e posicione-a na frente da câmera no meio da sala.?rnrnEle usou a prápria cadeira do computador.rnrn?Agora, dança para mim como a puta que você é.?rnrnA música que se repetia das caixas de som era adorável. Uma letra altamente descritiva com relação à minha opinião sobre meus brinquedos.rnrn?Devil?s plaything in my handsrnIf you don?t want painrnYou don?t understand?rnrnE enquanto o cantor repetia o refrão com sua voz grave e envolvente, meu brinquedinho rebolava sua bunda maravilhosa, entrecortada pela tanguinha apertada que entrou sensualmente no seu rego.rnrn?Empina a bunda, putinha.?rnrnE ele o fez, remexendo-se e remexendo-se - tendo, enfim, encontrado a sensualidade para tal, vestindo sua personalidade de puta.rnrnSeu pau obviamente, continuava duro. O anel não permitiria que ele se amolecesse. E era assim que eu queria.rnrn?Agora, putinha, vamos para minha parte favorita. Tire a calcinha e pegue o áleo de amêndoas. Passe em uma de suas mãos.?rnrnEle o fez apressadamente. Derramou um pouco de áleo no chão.rnrn?Porra! Como você é bagunceiro! Lambe!?rnrnEle olhou para mim com dúvidas pela primeira vez hoje.rnrn?Lambe a porra do áleo!?rnrnEle imediatamente se pôs de joelhos e começou a lamber o áleo do chão.rnrnNeste momento não contive minhas gargalhadas.rnrn?Lambe devagar, vai. Finge que você sabe o que é ser sensual.?rnrnEle colocou sua língua para fora e lambeu, tendo que conter seu estômago, devido ao nojo.rnrn?Não se atreva a vomitar.?rnrnEle se conteve, mas a sua expressão de asco ainda podia ser vista.rnrn?Agora, levante-se. Vire-se. Quero ver você besuntando seu cu de áleo. E é melhor passar direito ou vai se arrepender.?rnrnEle se curvou para o lado e começou a esfregar seu ânus com a mão esquerda. A visão daquele anel avermelhado e ainda intocado inflamava meu desejo. Minha calcinha estava completamente úmida e o desejo apertava minhas entranhas.rnrn?Pegue o anero. Quero ver você enfiando-o devagar.?rnrnEle o fez. Ao tentar pressionar o anero contra seu ânus pequeno e virgem a musculatura fez pressão em contrário.rnrn?Não consigo, Senhora.?rn?Consegue, sim. Vai ter que conseguir. Pressiona mais. Quero ver entrando agora. Não quero esperar.?rnrnE assim ele fez. Como o áleo de amêndoas havia sido apropriadamente espalhado, o anero começou a escorregar para dentro de seu ânus arreganhando o buraquinho ainda virgem.rnrnEle gemia alto de dor ? mas também de prazer. Seu pênis continuava seguro pelo anel.rnrn?O que você sente? Descreva em detalhes.?rn?Dááái, Senhora, dái! Está me rasgando.? Sua voz estava pesada e tinha um tom mais alto do o normal.rn?Enfia até sentir que encostou na prástata. E que seja devagar ? quero que você sinta cada momento de dor.?rn?Ahnnn, Senhora, está me partindo.?rnrnEu sabia que o uso de aneros era recomendado para pessoas que já possuíam experiência com a manipulação do ânus, mas eu sabia que ele aguentaria por mim. Havia aguentado toda a depilação em cera, aguentaria o anero.rnrnÉ claro que existia toda uma questão envolvendo a masculinidade e etc. Mas esta não me dizia respeito. Ele deveria aprender que comigo seria apenas meu cãozinho ? ou cadelinha, dependendo da minha vontade.rnrn?Agora massageie. Não se esqueça de falar o que sente.?rn?Parece que eu quero urinar. Parece que eu vou explodir. Tô me sentindo sujo, arregaçado. Tô me sentindo sua puta. Sua puta.?rn?Pegue o copo e deixe perto. Ajoelha e continua do chão, de lado para a câmera.?rnrnPelo visto, ele até já havia esquecido da dor dos pregadores que continuavam firmes nos seus mamilos.rnrn?Tô apertado, eu vou estourar, Senhora.? A ansiedade era flagrante em sua voz.rn?Use a outra mão para retirar o anel e deixe seu leite fluir pra dentro do copo.?rnrnAo tirar o anel, seu pênis explodiu dentro do recipiente em vários jorros contínuos, porém leves. Ele gemia alto, havia alívio em seu tom.rnrn?Tire o anero? ? sussurrei para ele enquanto ele concluía a coleta.rnrnAo terminar, ele virou-se para mim e disse:rn?Eu nunca... nunca... eu... estou confuso... a Senhora me domina, faz de mim o que quer. Sou seu, sou seu...?rn?Lembre-se de Jorge Amado. Não há fronteiras para o prazer. Não há ego no sexo.?rnEle me olhou profundamente e o universo dos seus olhos já não era tão indecifrável.rn?Agora beba.?rnrnEle encheu-se de coragem. Controlou seu asco. Entregou-se a mim e bebeu.rnrnEra mesmo um vira-latas ? a melhor espécie de cão. A que aprende mais rápido.rnrnVeja mais em rainhasarah.blogspot.com

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos... me atrasei para casar pois estava sendo arregaçada por carios negoescontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontoseroticosabusadasconto erotico encoxadaContos eróticos pênis descomunalconto erotico amigo babaca e cornoConto enteada na pescariaconto e relato comendo o c****** da cunhadacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentewww XVídeo pornô o tio f****** a sobrinha foi bonita e de Menormeu primo rasgou meu cu gaycontos eroticos amiga da minha mae velha coroa viuvaContos erotico cuzinho d m cunhadinha Contos eroticos c imagens v puta de meu sogro e do cunhadocomendo a mulher do amigo contobucetas esajero de xotacontos eroticos ai ai ai mete safadovideos de porno sogro cardando a moracomeu familia toda conto eroticoconto de meu irmão comeu meu cu com uma grande pica e eu não aguentei de dorvovozinhas esfreca buceta com buceta uma na outraconto erotico fui no pagode e comi um travesticontos esposa deu pro sobrinhoContos fudendo a bucetinha apertadacontos menino lizinhoCONTO DEPRAVADAvidio porno mulher coloca vibrador de 53 cemtimetro todinho dentro da bucetacontos eróticos a babá do meu irmãocontos eroticos nudismo mae e filhocontos eroticos traindo na Lua de Melconto erotico de netaquando me masturbei saiu bastante gosma da minha buceta será que gozei?casais safados de itacoatiara -Amazonascontos eróticos boquete da minha vizinhacontos eroticos de como eu perdi minha virgindade aos 16contos eroticos grupal baile funkcontos de cornoporno coroa da boda mole de fiodetaocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteLóira safada narra conto metendo na coberturacontos eroticos de onibus lotado com maeconto erotico meu cunhado viajou maninha pediu pra eu ficar com elaContos eroticos de Gravidas estupradas por policiaistia sozinha e sobrinho contoscontos eroticos arrombando a gordacontos de lesbica chupando a buceta eo cu da outravídeo de mulher conto dar o cu ele micha de dorconvencer mulher ir praia nudismoConto Erótico Real - Casada InfelizContos eróticos minha mulher apanhandocontos eróticos​, praia de nudismoContos eroticos de padreso contos eroticos sadomasoquismo com maridos e esposasdei pro meu genrocontos o dia que eu seduzi minha mae rabudacontos dos podolatrasconto erotico comendo um crossdresserPorno pesado gordao arromba magrinha pono doidoconto gay carona rebolei calcinhaContos erotico amei a fantasia de meu marido mim fode com a pica dele e um penes de borachamulheres casadas morenas claras 45 a 55 anos traindo com negaocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eróticos comendo a mulher negra do meu paicontos eroticos comendo giovanacontos eroticos casal voyeur sem querercontos eróticos prima e irmãconto erótico viadinho usa shortinho de lycra e calcinhacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteConto erotico despedida de solteira da amiga rabudaConto erotico minha irmã gravidaconto calcinha da maecontoseroticos. cornos leva mulher para amantegostosa fas enema profundoContos eroticos guspe na bocaContos eroticos novinha estuprada pelo borracheiroContos eroticos carro lotadocontos eróticos meu padrasto me deu banhoRockeiro contos eróticossocando na minha irmã compressão sexecontos eróticos de traição de casadas testemunhas de Jeováconto erótico ajudando a irmã na faltacontos eroticos exibi minha mulhercontos minha mulher com um dotado mi fez chupa elecontos eróticos de Zoófila - empregada foi amarrada e castigada