Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

2 - O PRIMEIRO ENCONTRO.DOC

Continuando o relato iniciado com 1-Como tudo começou (minha visão da estária – Capitulo 1), onde descrevi o inicio das nossas “aventuras” extra-conjugais e das realizações das minhas fantasias, do primeiro cara que “abalou” a estrutura da Maria, o LATINO, que sumiu quando ela propôs um encontro real, das aventuras por telefone com o MARIO, do encontro com o SEDUTOR, que não passou de um beijo na boca.

Nessa estoria vou narrar como ocorreu o primeiro encontro de verdade dela (com todos os detalhes que ela me contou), e como eu me senti no decorrer dos fatos.

2 - Minha parte na estária



Logo que o LATINO sumiu, ela ficou mal, frustrada, decepcionada, e decidiu não mais entrar em chats de sexo, e passou a frequentar uma sala de chat por idade, sempre na mesma sala, fez amizades e certo dia apareceu o ROBERTO, era outro estilo, completamente diferente, caseiro, delicado, ate meloso, ficavam madrugada adentro falando das atividades domesticas, eu costumava brincar perguntando se eles não tinham outra hora para lavar louça. Depois de presenciar algumas conversas eu achei que ele estava excessivamente envolvido, falei isso, mas ela discordava.

O Pessoal da sala dela estava marcando um encontro em SP, seria o primeiro encontro nacional da sala, viriam pessoas de todo Brasil, e ela nunca tinha ido a nenhum encontro da sala, nos organizamos para participar.

O ROBERTO sabia do encontro que se realizaria, e marcaram de se encontrar na véspera do encontro, para se conhecer pessoalmente. Deixei-a num shopping vestida com um vestido de seda javanesa branco, todo abotoado na frente, que ia ate a altura da coxa, quase uma minissaia, voltei para casa, passei a tarde ansioso, conversando com meus pais, falando amenidades, passou rápido.

Quando ela chegou me contou que foi super engraçado, ele estava muito nervoso, passearam no shopping como namorados de mãos dadas, andaram quilômetros, depois eles sentaram para tomar um refrigerante, ele trouxe um copo enorme, conversaram muito, passaram uma tarde super agradável então foram ao estacionamento, no momento em que entraram no carro, faltou luz, e eles ficaram naquele estacionamento sem ninguém para olhar nada, sentados no escuro, cheios de desejo, pularam um no pescoço do outro, trocaram beijos apaixonados, abraços ansiosos, se alisaram todos, ele passando a mão nos seios dela por cima do vestido, abriu alguns botões deixando os seios livres, acariciou e beijou seus seios, alisou suas coxas por entre os botões do vestido, mas não abriu.

Ela alisou o pau dele, por cima da calca, não teve coragem de abrir, mas ficou muito excitada.

Nessa hora a luz voltou, um segurança começou a rondar o carro, eles se recompuseram, pois a tarde já estava adiantada, ele precisava voltar para o trabalho ainda e ela precisava voltar para casa, pois tínhamos dito a minha mãe que ela ia fazer compras no Brás.

Quando ela chegou em casa, falou com todos rapidamente, me puxou num canto e sussurrou no meu ouvido que ficou surpresa como tinha sido fácil estar nos braços de outro homem, perguntei se ela tinha ficado excitada, ela puxou minha mão para baixo do vestido e pude sentir sua calcinha, ainda melada do tesão que sentiu, fiquei super excitado, levei-a para o quarto ainda de tarde, lambi sua bocetinha melada ainda por cima da calcinha, afastei para um lado e enfiei a língua depois meus dedos que escorregavam facilmente para dentro dela, transamos com eu falando no ouvido dela que ela era safada, que tinha acabado de encontrar com outro cara que estava molhadinha de tesão por outro cara.

No dia seguinte fomos ao encontro, fomos os primeiros a chegar, logo as pessoas foram chegando, éramos cerca de trinta pessoas, rimos e brincamos muito.

Em determinado momento, ela me chamou e disse que o ROBERTO estava chegando, ele veio com a esposa. Sentou distante do resto do grupo e ficaram olhando de longe, ela mostrou-os para uma amiga nossa, que sabia do caso, as duas me puxaram e fomos os três falar com eles, sentamos nos apresentamos, a esposa dela não sabia do encontro do marido com minha esposa, por isso não tocamos no assunto. Minha esposa e sua amiga logo se levantaram indo para a pista de dança, quando dei por mim estava sentado sozinho na mesa com o casal, eu completamente constrangido e sem saber o que falar, olhava para ele e imaginava ele beijando minha mulher, passando as mãos e beijando os seios dela, as mãos alisando e seus dedos quase penetrando a bocetinha melada, mas não podia falar nada por causa da sua mulher.

Conversamos mais um pouco, convidei-os a sentar conosco, mas eles não quiseram, disseram que sá tinham dado uma passada para dar um “oi” para a gente, e que já iriam embora, nisso ele levantou dizendo que ia se despedir e logo depois sua esposa levantou dizendo que ia ao banheiro, fui atrás dele, e pude ver quando num canto escuro da pista, com a desculpa de uma musica lenta, ele abraçou minha mulher, passando a mão na sua bunda e puxando de encontro ao seu corpo, tentando beija-la. Depois ela me disse que sentiu o pau duríssimo no meio das suas pernas e que não resistiu em ficar roçando nele, e que ficou novamente completamente molhada de tesão. Antes de sair, ele pediu que ela ligasse no dia seguinte.

O resto da noite transcorreu tranquilo, dançamos, comemos, conversamos com os amigos, percebi que ela estava um pouco “inquieta”, na volta para casa perguntei o que havia acontecido, ela me disse que tinha ficado com vontade de se encontrar novamente com ele, mas estava com medo. Falei para ela relaxar e ligar logo cedo, pois sabíamos que todos os sábados ele saia cedo para passear com o cachorro.

No dia seguinte havíamos combinado um almoço as 14:00 hs numa churrascaria com o grupo. Acordamos cedo e saímos, ela ligou ainda não eram 8:00 e marcou de encontrar com ele as 9:00 no mesmo shopping que haviam encontrado antes e depois ela me encontraria na churrascaria. No caminho para o shopping parei numa farmácia comprei camisinhas. Ela ficou brava e disse que não estava indo para um motel, que ia apenas conversar, mas eu queria que ela tivesse uma experiência com outro homem, eu me sentia como se fosse eu saindo para encontrar outra mulher, estava excitado com a perspectiva, e disse apenas para que ela não fosse para o encontro com nenhum tipo de idéia pré-concebida, e que se tivesse vontade de transar pelo menos já estaria preparada com as camisinhas na bolsa.

Quando entrei no estacionamento eram 9:05, tinham pouquíssimos carros parados, imediatamente o vi, estava visivelmente ansioso, nervoso, dei a volta para que ele não nos visse, ela desceu do carro, eu manobrei e sai, infelizmente não consegui ver o encontro deles, eu tinha absoluta certeza que eles iriam para um motel, sabia que era a primeira experiência sexual dela alem de mim, queria muito ver a reação dela, queria ser um broche no vestido dela para poder acompanhar tudo de perto, mas tive que voltar para casa e contar uma estária para minha mãe para justificar sua ausência de novo, e disse que as meninas tinham marcado um café da manha, apenas para mulheres que eu estava proibido de ir, tive de disfarçar a minha ansiedade, o meu tesão, e ainda por cima ser convincente para que minha mãe não percebesse que eu havia acabado de levar a minha esposa para encontrar com outro homem.

Não sei bem explicar o que se passava na minha cabeça, medo de ser descoberto, medo do que pudesse acontecer com ela, que talvez o cara fosse violento, que pudesse acontecer alguma coisa, como explicar ter que ir a um motel resolver qualquer tipo de problema, e se eles sofressem um acidente, mas cada vez que eu pensava nas mãos dele passando pelo corpo dela ou na boca dela envolvendo o pau dele, nas pernas dela se abrindo e ele se deitando no meio, penetrando ela, na sensação que ela estaria sentindo de ter outro membro dentro dela, não conseguia evitar uma ereção.

Chegou a hora do churrasco, fiquei rodando pela rua fazendo hora, esperando que ela me ligasse, o tempo foi passando, ela não ligava, minha ansiedade aumentava a cada minuto, mil imagens passando pela minha cabeça, acidentes, violência, o medo tomando conta de mim, mas precisava me manter calmo, provavelmente estava transando e não perceberam a hora passar, o melhor era ir para o churrasco, talvez meu telefone não estivesse funcionando direito.

Chegando lá fiquei ainda sentado algum tempo no estacionamento, mas as pessoas do grupo me viram e eu entrei com eles, me perguntavam onde estava a Maria, e eu dizia que tinha ido à casa de uma tia, mas que logo chegaria, o tempo foi passando, não consegui me concentrar nas conversas, muito menos comer direito, o pessoal estava combinando de sair dali para ir a outro lugar, eu não tinha como falar com ela, não tinha meios de saber o que estava acontecendo, já estava escurecendo e nenhuma noticia, já não sentia mais nenhum tesão, apenas medo e preocupação.

As pessoas começaram a ir embora, eu fui ficando, ate que todo o resto resolveu voltar para o hotel em que estavam hospedados, não ia ficar ninguém no restaurante, eu não sabia o que fazer, não podia voltar para casa, porque simplesmente não teria como explicar para os meus pais onde estava minha esposa.

Resolvi ir para o hotel com o pessoal, pois ali ela poderia entrar em contato com outras pessoas, ou ir para o hotel. Fiquei sentado no hall do hotel, vendo TV, conversando com as pessoas, estavam combinando de ir assistir um show, eu rezando para que demorassem bastante para sair, estava em pânico, não tinha a mínima idéia do que fazer, apenas esperava o tempo passar e rezava para que ela apenas estivesse se divertindo e que tivesse bom senso de procurar o pessoal no hotel. Não tinha sequer com quem compartilhar minha angustia.

Depois de cerca de duas horas no hotel, já eram quase 22:00, ela apareceu entrando no hall do hotel, sorrindo, meio assustada, conversou um pouco com o pessoal e logo me chamou para ir embora. Entramos no carro eu ensaiei uma reclamação, mas e ela me abraçou e me deu um beijo na boca, senti um gosto diferente, e comentei, ela disse que tinha dado uma ultima chupada no pau dele, no estacionamento do motel, então abriu as calças e enfiou minha mão por dentro das calcinhas, senti a boceta dela inchada, mas ainda melada.

Enquanto ela me contava o que tinha acontecido, a angustia ia se esvaindo, dando lugar a excitação.

Contou-me que logo que se encontraram foi logo falando, “não quero ir para um motel”, ate hoje dou gargalhadas dessa situação, imaginando a cara dela, para logo que chegou falar isso, era obvio que ela queria ir, mas estava apavorada.

Foram ao Ibirapuera, passearam, sentaram na beira do lago como namorados, ela sentada no meio das pernas dele, ele acariciando os seios dela por cima da blusa, eu me excito pensando nessas imagens, imaginando a sensação, o tesão esquentando o corpo dela. Conforme o tempo ia passando e a hora de ir embora chegando, a sensação de perda ia aumentando, ate que ela virou para ele e pediu para leva-la para um motel, que queria transar com ele.

Foram ao motel, ela foi tratada como bibelô, como uma peça delicada que pudesse quebrar. Logo que entraram no quarto ela foi direto ao banheiro, quando saiu sentou sobre uma mesinha, observando os quadros enquanto era a vez dele de ir ao banheiro, quando ele saiu ficou de longe admirando aquele momento, então ela se levantou e foi ate ele, o abraçou e beijou, ele foi tirando sua roupa com muita delicadeza, e beijando cada parte do seu corpo suavemente, pegou-a no colo, já nua, e levou ate a cama, se livrou rapidamente das suas roupas e continuou beijando e lambendo todo o seu corpo, aranhava os seios com os dentes, chupava e mordia suavemente os biquinhos, ate que finalmente se encaixou entre suas pernas, encostou a cabecinha e foi penetrando muito vagarosamente, sentindo o prazer de cada milímetro da penetração, foi tudo muito suave e intenso ao mesmo tempo.

Transaram a tarde toda, ela chupou ele, montou por cima dele, ele meteu nela por trás, de conchinha, de quatro, transaram de todas as formas, mas ela não conseguiu gozar, e ele demonstrando muito controle decidiu que sá gazaria junto com ela. fiquei doido de tesão e ainda me excito muito quando ela relembra dos detalhes para mim.

Quando chegamos em casa, minha calca estava melada, meu saco doía de tanto tesão, fui logo tirando toda a roupa dela, e fui direto lamber sua boceta que estava inchada e melada de tesao, eu estava louco, senti o gosto diferente, esperava sentir o gosto característico do látex da camisinha, mas não foi o que senti, ela me disse que não usaram camisinha, eu fiquei mais louco ainda, enfiava minha língua e girava, tentava sentir cada milímetro daquela boceta que tinha levado outro pau a menos de uma hora, não conseguia me controlar e nem desgrudar minha boca dali, não queria penetra-la para não perder o gostinho, ate que ela implorou para eu enfiar pois queria gozar.

Meu pau parecia que ia estourar de tao duro e inchado,encostei a cabeça do meu pau na entrada da sua bocetinha, empurrei um pouco e ele entrou fácil, meti de uma vez so, foi uma penetracao facil, percebi que apesar de inchada, ela estava mais larga, eu não sabia se metia ou chupava, dava três ou quatro estocadas, e saia para chupar, ela gemia, ria e revirava os olhos, eu tirava tudo e enfiava tudo de uma vez, o tezão era tão grande que em poucas bombadas gozamos juntos, e caímos quase desfalecidos para o lado, acabamos dormindo daquele jeito, no meio da noite, acordei ainda dentro dela, comecei a me mexer, logo estava duro, ela me perguntou se estava sonhando. Conseguimos grosar junto novamente.

Depois de um dia inteiro fodendo, sem conseguir grosar, ela gozou duas vezes. O ar de felicidade que ela tinha no dia seguinte me dizia que tinha valido a pena.



Depois disso eles nao se encontraram de ovo, mas trocaram alguns e-mails, eu disse que ele parecia completamente apaixonado, e que isso poderia dar problema para ele e para a mulher dele, ate que ele imprimiu um e-mail dela contando com tinha se sentido no encontro e a mulher dele achou, foi desagradável a situação a mulher dele entrando na sala, xingando, e deixando mensagens no ICQ, eles nunca mais se falaram.

Depois dessa confusão eu me senti meio frustrado, o MARIO tinha sumido, o Latino também, o ROBERTO tinha feito besteira, nos não tínhamos mais disposição de entrar em chat de sexo, ate mesmo a sala de idades mudou um pouco parece que todos estavam meio saturados, mas continuávamos encontrando os amigos lá e conversando com novas pessoas, o que deu origem e outros encontro, que pretendo contar em outros contos.



VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eroticos de pijaminha provocandoconto minha tia me chamou no banhocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentevoyeur de esposa conto eroticocontos eroticos prima e amigascasadas putas fodendo com preso contoeu sou casada e amo zoofiliachaves comendo cu da chiquinhacontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos gays sendo o viadinhos dos adultos que me humilhavamconto gay na ducha da nataçãoacabei com o cu da minha subrinha contos eroticos pornocontos erotico tia estrupa o amigo do sobrinhotransei com meu sobrinhoconto erotico da desvirginadaconto ru e minhas filhascom minha filhinha novinha contos eróticosdepilei a buceta,e fiz de cornocontos eroticos comendo o bucetao cabeludocontos de travestis comendo os patroescontos eroticos comi minha sogra evangélica maduracontos eroticos de velhostransei com amigo da minha filhacutuquei a buceta da mamae contosconto erótico dominando casada bravawww zoo porno filha brecado paiConto erotico levantaram minha microsaia e me comeram gostosocontos eróticos gay taxista Santarém Parávizinho novo contos gayconto erotico traindo contra a vontade do maridãocontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crentecontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteContos safados pirocaomulheres loira amazonense traindo fazendosexocontos erotics maduras tias coroascontos eroticos o namorado da minha filha mim bolinoconto erotico o sogrofui desvirginada pelo meu namoradocumi a bucrtina contos eroticosxoxota as infinitasfoi chantageada pelo meu colega de trabalhoContos o caminhoneiro me chupou inteira30cm conto erótico doeuconto gay na ducha da nataçãoconto erotico sobrinhacontos eroticos com fotos de mulheres casadas que foi violentada por bem dotadoscontos ela deixou por no cuzinhocontos eróticos de mãe ajeitando a filha para o pai comer na frente delaContos eroticos interraciais no escritorosmeu sobrinho menor conto eróticocontos de iniciação no swingContos eroticos a minha mae da bunda gigantecontos eroticos com coroas no cinema pornoconto flagrei minha mulher com um estranhosobrinho viadinho da titia tarada conto gaycontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteconvencir minha mulher zoofiliaachei que era uma mulherao mas era um travecao que me enganou e socou no meu rabinhocontos eroticos praia com a familiacontos eroticos/virgens estuprada pelo padrinhover dvd porno homems chupa bucetas de baicho da mesa tira calcinha do ladoum careca inesquecivel contoscontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteContos reais de sodomiaminha esposa tem 1.60cm d bunda enorme contosela me endinou a roçar grelo com gtelo/contozoofili a nimada travestiConto morena 37 anoscontos dp betinha vendo irma fodendocontos eroticos de roçaNovinha enlouqueçeu os pedreirosconto erotico comendo um crossdresserNAmorada ponha o cinto de castidade no namorado pornoesposa e amante volarao a filha drama pornocontos eróticos o tio com minha namoradaeroticosgameconto erotico minha namorada e meu tioprofessor cacetudo comendo o cuzinho do menino afeminado no banheiro