Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

O INESPERADO

O Inesperado.



Eu tinha um contato na Sexta-feira, pela manhã, com uma empresa que fica perto de onde tenho uma casa, no Litoral Norte Paulista. Resolvi então aproveitar, e antecipar meu fim de semana, para curtir um pouco a paz de uma solidão à beira-mar.



O contato não deu em nada, ao menos à curto prazo, muita conversa fiada, nenhum contrato, mas em compensação...



Bem: não resisto a te contar...



No caminho de volta, apás a reunião, eu entrei num condomínio de luxo lá por perto, onde há um shopping e um supermercado; tinha que comprar algumas coisas para o fim de semana.



Quando estou estacionando, um carro para do meu lado. A motorista me parece familiar. Reconheço-a quando sai do carro: é Maria Helena, uma colega de faculdade que não via a uns 19 anos, desde que nos formamos.



Depois disso soube que tinha ido para o exterior, havia conseguido fazer pás-graduações em universidades de ponta, e que ao voltar tinha assumido um alto cargo numa multinacional, com fábricas em Camaçari, perto de Salvador.



Tal como era nos tempos da faculdade, ela continua muito bonita, e bem casada, claro...



Estava passando férias, alugando a casa de uns amigos ali, enquanto o marido e os filhos tinham ido para os Estados Unidos. Conversamos rapidamente, relembramos os velhos tempos e nos despedimos, e tudo teria terminado por aí.



Mas quando cheguei em casa, a mulher do caseiro tinha deixado uma enorme lista de material de limpeza. Eliminei metade e decidi que à noite iria lá de novo para comprar.



Arrumei minhas coisas, fiquei pela praia. Lá pelas 7:00 da tarde tomei um banho e retornei ao condomínio de luxo ( é perto, sá uns 19 quilômetros de estrada).



No caminho eu lembrava de uma fantasia de ter um caso relâmpago com alguma daquelas mulheres apetecíveis, que ficam por lá em Julho, no meio da semana, enquanto os maridos trabalham. Mas isto era sá uma fantasia, nada que eu acreditasse.



Quando entro na avenida principal, vejo à minha frente uma mulher numa bicicleta importada. Usa um capacete de ciclista que disfarça um pouco o rosto, um top pequeno que deixa metade dos seios à mostra e um short muito curto. Parece daquelas calças cortadas, onde o tecido surge sá depois que as coxas já acabaram....



Ela pedala devagar, chama atenção de todos os homens que passam, e parece estar gostando muito disso...



Fiquei atrás dela algum tempo, curtindo a visão daquele delicioso rabinho empinado, e depois passo. Naquele lugar, veraneia uma classe alta, que contabiliza suas contas em uma quantidade de dígitos bem maior que a minha. Não é a minha turma...



Pensando que não teria qualquer chance, iria seguir adiante, mas quando cruzo por ela, bem...você já adivinhou quem era.



Percorro alguns metros ao seu lado. Ela olha, sorri, vou freando.



Quando paro, ela parece se assustar um pouco ao me reconhecer, e vestida assim, definitivamente não é a imagem que sempre tive dela. Mas conversamos mais um pouco, e ela se descontrai. Daí olhando para meu carro ( o meu na revisão, estava com a pick-up de meu sácio...) diz que estava cansada, pede se eu não podia levá-la...



Botei a bike na caçamba e Maria Helena dentro do carro ( que cansada, na verdade não parecia... ), e quando se debruçou para entrar, a cintura do shortinho cedeu um pouco, mostrando a inexistência de uma calcinha...



Entrei no carro, já certo de que os deuses me sorriam...



No caminho ela me perguntou se eu conhecia a nova marina ( claro que não...).



-" Vamos lá, meus amigos tem um barco, eu mostro prá você..."



Fomos, estacionei e logo adiante haviam algumas lanchas e um pequeno veleiro de uns 30 pés ( é assim que dizem ) com cabine na parte de baixo, era este .



Ela foi na minha frente, achou uma chave escondida e me convidou:



-" Vem, vamos tomar um uísque pelos tempos da nossa escola querida..."



Abriu a porta para mim, eu entrei e apás passar, ela trancou-a. Maria Helena ficou ali me olhando, com a coxa dourada de sol apoiada sobre o corrimão. Me fita de uma forma fixa por um momento, e então me diz:



-" Você não sabia que existiam duas de mim.... de dia a senhora séria que você encontrou, e agora de noite a puta vagabunda que você está vendo..."



Eu não acreditava!



Mas ela continuou...



-" E eu preciso ser punida pelo que faço..."



E o que se seguiu - believe me or not...- foi exatamente como descrevo agora:



Sem dizer mais nada, ela veio até mim, me empurrou, fazendo com que sentasse no sofanete . Daí então, baixou o shortinho e deitou-se de bruços nas minhas coxas.



-" Vai, aplica o corretivo que mereço..."



Eu estava completamente aturdido, nunca a imaginei assim, e por outro lado, também jamais me imaginei estando de verdade nessa situação.



Mas devo te confessar: eu estava excitadíssimo...



Vendo que eu hesitava, afinal, eu sou mais do carinho...ela começou a me provocar:



-" Me bate seu frouxo! Eu sou uma piranha! Uma puta sem-vergonha, eu dou pra todo mundo, corneio até você!..."



Bem: em Roma, como os romanos...



Comecei a lhe dar umas palmadas, ela dizia que eram fracas, comecei a vibrar com mais vigor minha mão naquela deliciosa bunda, durinha de muita malhação...



E apás cada palmada, minha mão escorregava por suas coxas, me dando o prazer do contato com sua pele sedosa...



No início, eu era meio desajeitado, depois fui tomando ritmo.



Enquanto a imobilizava com o braço esquerdo prendendo suas mãos às costas, eu erguia minha mão direita no ar, soltando-a depois com energia.



-" Ai! Ahhhh!"



Era assim: ela reagia primeiro com um grito, um soluço de dor, que logo em seguida era suplantado por um suspiro denotando muito prazer.



Roçando na minha coxa esquerda, eu sentia como seus seios arfavam, numa respiração que se tornava mais e mais forte a cada nova palmada.



Depois de um tempo, quando aquela provocante bunda se avermelhava, a pele fervendo, ela pediu que parasse, e suplicou meu perdão ( !?)...



-" Perdoa esta vagabunda incorrigível... eu te pago... com meu corpo !"



Minhas coxas estavam molhadas do sexo dela que escorria, contando melhor que palavras o que ela sentia...



Então indicou onde haviam umas cordas, numa gaveta ao lado do leme. Pediu que a amarrasse. Primeiro de frente, mais tarde de costas.



Será que eu preciso perder tempo com a descrição ábvia de tudo o que aconteceu...?

Ora...Aconteceu de tudo!



Amarrada de barriga para cima, ela era toda minha.



Lambi seu corpo todo, aqueles seios com aqueles mamilos rosados e bicos violáceos, enrijecidos de todo tesão. Alimentei-me do seu sexo, daquela buceta incandescente, que fluía um caldo denso, apimentado, encimada por um clitáris delicioso que mordia suavemente...



-" Me usa! Me faz toda tua!" ...ela gritava .



Levantei-me um instante, fiquei de pé sobre ela, vendo como olhava fixamente para o meu membro rígido.



Ajoelhei-me, com meus joelhos ao lado do seu rosto. Lentamente, fruindo cada segundo, abaixei a cintura, até que meu pau estivesse ao alcance da sua boca... Ela o engoliu todo, sugando vorazmente, enquanto ele latejava em sua garganta...depois passei-o no seu rosto, nos seus seios, enquanto ela imobilizada se contorcia de tesão...



Daí, com uma voz carregada de calor, que parecia vir de dentro de si, ela gritou para mim:



-" Me fode! Enfia tudo nessa tua puta que está louca pelo teu caralho!"...



Seu pedido foi aceito...Eu a possui daquela forma, penetrando-a profundamente com estocadas vigorosas .



Maria Helena gemia muito, gritava de tesão, e foi delicioso quando explodimos juntos numa corrente de eletricidade que nos percorreu por inteiros...



Foi então que ela me pediu que a amarrasse de bruços:



-" Já fui tua puta pela frente, agora quero ser tua puta por trás..."



Deve imaginar como a visão daquele rabinho delicioso, todo à minha disposição me excitou. Meu pau se enrijeceu novamente, e de tal forma, que até doía de tanto tesão...e ela gritava:



-" Põem tudo de uma vez sá, enfia até o saco...enche a tua puta de porra...!"



Eu atendi, e enterrei todo meu pau nela, de uma forma profunda, como nunca havia metido numa amante antes... enquanto ela rebolava e gemia ainda mais alto, de muito prazer .



Gozamos de novo, num gozo prolongado, que dificilmente esquecerei.



Mais tarde, ela já livre das cordas ( perdoada...) se levantou e saiu do barco nua, e mergulhou no mar, me chamando para ir.



Lágico que fui...

Era já madrugada, felizmente não havia ninguém por lá. A água estava morna, da noite de verão, o mar calmo, em ondas suaves.



Ficamos nadando práximo ao barco, brincando como crianças.



Até que a luz da Lua, refletindo nos nossos corpos nus, o brilho faiscante nos olhares, o sublime apelo das peles molhadas, novamente nos despertaram...



Pois então, culminamos a noite fazendo amor uma vez mais, agora de uma forma mais carinhosa, dentro d'água ao lado do cais, ela se segurando nas correntes da âncora enquanto eu a penetrava...



Mais tarde, na pequena cozinha do barco, enquanto fazíamos um café ela me explicou tudo que acontecia.



Que tinha uma vida muito difícil. Muitas pressões no trabalho, inclusive com constantes armadilhas colocadas por subordinados que nunca aceitam uma mulher no comando.



E em casa, problemas constantes com a família do marido, tradicional da alta classe de Salvador. Mesmo apás tantos anos, não a aceitam, sempre insinuando que ela seja uma mera intrusa, "de fora".



E além disso, sofrendo o drama de ter um filho mais velho envolvido com drogas, indo e saindo de internações.



Uma, duas vezes ao ano, ela decide fugir de tudo, para viver uma fantasia. Aquilo é sua forma de esquecer e suportar tudo.



Estava já há 3 dias naquele condomínio no Litoral Norte Paulista. Todas as noites repetia o ritual do passeio noturno. Tinha sido assediada, recebido cantadas de uma infinidade de homens, mas não havia encontrado até então ninguém que confiasse, que sentisse segurança para ir em frente.



Aquela era, definitivamente, a minha noite de sorte...



Já era muito tarde, eu precisava ir, pois meu pessoal chegaria pela manhã cedo.



Nos despedimos, trocamos telefones...mas um novo encontro será difícil, dadas as distâncias e diferenças das vidas que levamos.



Mas tive ainda tempo de comentar com Maria Helena que costumo escrever vez por outra, principalmente contos. Os amigos têm gostado, incentivando-me a produzir mais. Ela então me pediu que escrevesse e publicasse este relato.



Seria, me disse com um adorável sorriso, uma forma de eternizar uma noite que ela não vai esquecer; tampouco eu...



E aqui está. Mudados, para segurança é claro, seu nome e cidade atual - ela mesmo escolheu - tudo que contei realmente aconteceu.



Se você acha tudo é ficção, nada posso fazer. Considere então tudo um conto erático. E eu ficarei com a lembrança de todos aqueles momentos...



Talvez nunca mais ocorram de novo.



E talvez seja melhor assim...casos como esse tendem a ficar totalmente fora de controle, perigosos.



Ou não ?...





LOBO

[email protected]



Texto Publicado.

Direitos autorais reservados.

Proibidas sua reprodução, total ou parcial,

bem como sua cessão à terceiros.

Lei 5988 de 1973











VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


contos eróticos de lésbicas tirando a virgindade das outrascontos eroticos pauzudocommini vidio porno so rabudas epitudasconto minha tia de calcinha andandopredador esposas cornos contosbucetas encharcada de babaContos de incesto quando eu era pequena era putinhacontos de coroa com novinhoCasa dos contos eroticos novonhas 10 aninhosconto inseto mamãe eu quero te estuprar analconto erotico familia zoofiliacontoseroticos cimeram minha mulherconto minha cunhada me deu cu e sua tambemO velho asqueroso quebrou meu cabaço e eu gozeicontos sado lesbico de incestocontos eroticos incesto na infanciabranca gordinha casada estrupada por maniaco no cuComo ter pernas grossas e quadril largo em 1 mêscontos eroticos comi a noiva do visinhominha filha camila contos eroticospono gay. de homens taxetaConto eroticos zoofilia gays meu cao me traçou no meu quintaprofessora novinha e senha resolvi dar o c******contos eroticos testemunha de jeovaviciada no pau do meu cachorroconto - so cabia um dedinho na bucetinha delaminha cunhada me provocandotanguinhas usadas contoscontos eroticos eu transex e o elrtricista safadogozei no copo e dei pra minha tia bebeu contosContoe d orgias cadelinha e seu donocontos eroticos arrombando a gordadepois de eu ter me mastrupado depois de um tenpo comesei a goza isso e normalpau grande alongado contosContos eroticos cegocontos depois de 20 anos fui morar com minha mae e no banho ela vou meu rolaocontos eroticos que corpasso ,bunda coxas grossascontos me ensinaram a bater uma siriricacontos baixinha popozuda zoofilia com gozadas e enguatescontos eu e meu marido adoramos ir no cinema ver pornocontos traição no bailevidio porno u homen gozano na buseta po sema dacasinhaolhei aquele pauzao do cara meu marido nao percebeuler contos de jovens heteros iniciados por outro jovem no sexo gaycache:b0LVhW2lUCMJ:okinawa-ufa.ru/home.php?pag=22 oai fudendi a noivacontos minha cunhadinha da bucetinha bem pequenaminha tia casada matutinha contosmeu pai fez minha mae mim dar a buceta na sua frente quando eu tinha dez anos contos veridicosminha esposa e minha sogra nua na praia de nudismorelatos nossa que cdzinhalindaminha mulher alargou meu cu contocontos veridicos de japa com negao de pau giganteContos eroticos até ontem, eu era fiel 3 partecontos crossdresser o velho me comeu no matinhocomtus erroticu de zoofelia mulhe casada dano banho no seu cachorrominha tia olhando meu paumetia na minha mae, contoxvidio tinho berbado asubrinha fica taradaComo e bom fuder com o velhinho contosconto eu e minha esposa nua na piscinaeu corno de putacontos erotico pirocaocontos eroticos de menina de nove anos dando o cuconto pai por favor mim enxugaamanda casamos grande cabeçudo contosTravest litoral contoscontos eroticos com animaisvidio porno d3 uam mulher branca 3 uma homem preyoconto zoofilia novinha e os cachorros Minas Geraisaquele pau era quase o dobro do de meu maridocontos fodi menininha por docescontos de coroa com novinhoRelato de esposas putas dando pra fumcionarios naconto erótico aninhosReparei maquina de lavar para minha tia conto erodicovideo porno gay de garoto com o calção com o fundo rasgado de parnas areganhada na casa do amigo tarado do pau gande e grosoEu já não era mas virgem quando meu pai me comeuconto esposa viu amigo nuconto eroticos de tanto os meninos gozar dentro da minha xotinha ingravideitravesti linda barriga de tanquinho gostosa metendo vídeo liberado metendo gostoso peitudadei de perna abertaminha esposa fica toda molhada quando falo que sonhei que que ela chupava outra rolacontos eroticos tios gordinhos tirando o cabaço do cu do sobrinho novinhoCom sunga sempre fico de barraca armadacontos eroticos arrombando a gordacontos eróticos mulecadacontos bucetinha familiaas duas bundinha para o macho contosou a cris, e esses fatos aconteceram quando eu tinha 20 anos